Conheça a arma da Huawei contra o Android: HarmonyOS, chegará nos celulares em 2021

A Huawei é uma grande provedora de telecomunicações e fabricante de telefones, mas em países como os Estados Unidos, é uma pária. Não faltaram investigações sobre o gigante chinês das telecomunicações por mais de um ano, e vários países proibiram o uso de seus equipamentos de rede. Seus telefones são virtualmente invisíveis nos Estados Unidos, apesar de sua presença massiva em todo o mundo.

O presidente da empresa previu que 2020 será “difícil” para a Huawei, e certamente haverá desafios. Os EUA continuam a pressionar os aliados para bloquear a Huawei de suas redes sem fio 5G de próxima geração. Em julho, o Reino Unido decidiu proibir a Huawei de usar sua infraestrutura 5G: o equipamento da empresa será removido até 2027 – uma decisão que a Huawei considerou “decepcionante” conforme o 5G se tornasse mais popular.

Uma questão central para a Huawei eram as preocupações sobre sua amizade com o governo chinês e as preocupações de que seu equipamento pudesse ser usado para espionar outros países e empresas. É por isso que os Estados Unidos proibiram as empresas de usar equipamentos de rede da Huawei em 2012 e, em maio de 2019, a empresa foi incluída na Lista de Organização Industrial e Segurança dos Estados Unidos por decreto presidencial. Donald Trump efetivamente proibiu a Huawei de acessar as redes de comunicações dos Estados Unidos.

Um ano depois, Trump estendeu o pedido até 2021.

Como parte deste anúncio de 2019, a Huawei defendeu suas mensagens afirmando que, embora o HarmonyOS tenha sido concluído, ele não será exibido nos dispositivos. Em vez disso, ele irá impulsionar os produtos da Internet das Coisas e Dispositivos Inteligentes, incluindo seus monitores vestíveis e alto-falantes inteligentes. O primeiro dispositivo a rodar o HarmonyOS foi a Smart TV da Honor, que também usava silicone caseiro da Huawei.

HarmonyOS também terá uma estratégia de distribuição dividida que reflete de perto o que o Google usou com o Android. Além do HarmonyOS para os próprios dispositivos da Huawei, a empresa distribuirá o OpenHarmony, uma versão de código aberto do software semelhante ao AOSP. Yu também prometeu que as limitações técnicas na quantidade de RAM suportada pelo HarmonyOS seriam eliminadas em breve.

Resta saber se outros fabricantes chineses de telefones celulares que atualmente usam o AOSP vão ligar seu destino a uma empresa de hardware rival. Sem mencionar, é claro, que o AOSP já fornece a base para um ecossistema de aplicativos bem desenvolvido, e muitos desenvolvedores já estão familiarizados com a plataforma. O OpenHarmony terá que oferecer um motivo convincente para a mudança, tanto para as pessoas que criam os aplicativos quanto para aqueles que os usam.

CNET Mobile
Descubra as últimas notícias e as melhores críticas em telefones e carteiras de especialistas móveis da CNET.

A preocupação central da Huawei era a proximidade do governo chinês e a preocupação de que seu equipamento pudesse ser usado para espionar outros países e empresas. Esta é a razão pela qual os Estados Unidos não permitiram que as empresas usassem equipamentos de rede da Huawei em 2012 e por que a empresa foi listada na Lista de Organização Industrial e Segurança do Departamento de Comércio dos EUA em maio de 2019, de acordo com um decreto do governo dos EUA. O presidente Donald Trump impediu efetivamente a Huawei de acessar as redes de comunicações dos Estados Unidos. Um ano depois, Trump estendeu o pedido até 2021.

10081051516344 - Conheça a arma da Huawei contra o Android: HarmonyOS, chegará nos celulares em 2021

Inicialmente, os EUA ofereceram às empresas uma extensão, permitindo que trabalhassem com a Huawei sob uma licença temporária geral, mas o Departamento de Comércio concordou que a empresa estudasse regras para permitir que a tecnologia dos EUA continuasse a ser usada em seus projetos de semicondutores. Em agosto de 2020, ele tornou essas regras mais rígidas e anunciou que a licença geral temporária não seria renovada.

Huаwei negou por muito tempo qualquer irregularidade e continua a afirmar sua inocência.

Mais difícil: a câmera Huáwei P40 Pro Plus com zoom ótico 10x lança iPhone e Samsung no ar

Pode ser difícil manter um equilíbrio com muitas linhas históricas, então aqui está uma linha do tempo que vai até 2018.

2020

10 de setembro de 2020: a Huawei anuncia que trará o Harmony OS para telefones e lançará novos fones de ouvido, relógios e laptops com a próxima atualização.

4 de setembro de 2020: A FCC estima que custaria US $ 1,8 bilhão para remover os equipamentos Huawei e ZTE das redes dos Estados Unidos.

24 de agosto de 2020: A Índia silenciosamente removerá os equipamentos da Huawei de suas redes à medida que as tensões na fronteira aumentarem, disse o relatório.

19 de agosto de 2020: A Huawei diz que seus telefones Android mais antigos continuarão a receber atualizações de software e segurança, mesmo que sua licença do Google tenha expirado.

17 de agosto de 2020: Os EUA aumentam as restrições ao acesso de Huаwei aos chips americanos.

13 de agosto de 2020: a Índia toma medidas para impedir que Huwei e ZTE acessem o 5G.

30 de julho de 2020: Huаwei tira a coroa da Samsung e se torna a maior fabricante de telefones do mundo, afirma Anlyst.

29 de julho de 2020: Quаlcomm faz parceria com Huаwei.

20 de julho de 2020: a China está supostamente considerando tomar medidas contra Noki e Ericsson se a UE se tornar Huwei.

15 de julho de 2020: administração Trump visando trabalhadores da Huawei com visto restrito nos Estados Unidos.

14 de julho de 2020: Seguindo os EUA, o Reino Unido recaptura a Huawei de sua rede 5G.

3 de julho de 2020: Huawei me traz o rival Uber Bolt

2 semanas ago

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *