Ibovespa tem salto positivo com Itaú Unibanco, Petrobras e Vale

Ibovespa tem salto positivo com Itaú Unibanco, Petrobras e Vale

Os investidores do mercado acionário doméstico, como se previa, voltaram para o risco nesta terça-feira. O otimismo se dá com balanços financeiros, notícias corporativas e recuperação dos preços das commodities. Os investidores também acompanham o avanço do coronavírus pelo mundo e, em especial, na China.

Nesta sessão, as ações da Petrobras estão avançando com a estatal divulgando a produção, que voltou para terreno positivo.

Os papéis do Itaú Unibanco também estão valorizados com o mercado apreciando o balanço financeiro apresentado na noite desta segunda-feira.

Já o avanço forte das ações da Vale se dá também com a recuperação nos preços do minério de ferro na China. O índice de metais da bolsa de Nova York segue em alta de 1,94%.

Há pouco, o Ibovespa estava em alta de 2,23% aos 115.077 pontos. O giro financeiro seguia para R$13 bilhões.

Operam com ganhos
Cosan ON, alta de 6,03%, Sid. Nacional ON, alta de 5,84%; Grupo Natura ON, alta de 5,38%; Usiminas PNA, alta de 5,49%; Gerdau PN, alta de 5,07%; Hypera ON, alta de 0,16%; Santander BR UNT, alta de 0,70%; e AMBEV ON, alta de 0,60.

Operam com perdas
Carrefour BR ON, queda de 0,41%; e Energias BR ON, queda de 0,80%;

Mais negociadas
Petrobras ON, alta de 1,33%; Petrobras PN, alta de 1,36%; Vale ON, alta de 3,57%; Bradesco PN, alta de 1,67%; e ItauUnibanco PN, alta de 2,54%.

Carteira Teórica
Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

O petróleo referência Brent segue em alta de 0,80% a US$54,43 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI segue em alta de 0,93% aos US$50,06 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 4,89% aos US$86,93 a tonelada seca e com 62% de pureza.

Será que agora Vai?!

Será que agora Vai?!

Mais um dia positivo para os mercados acionários em todo o mundo, começando pelas Bolsas asiáticas durante a madrugada, passando pelos mercados da Europa e EUA ao longo do dia e eclodindo em mais um pregão forte na Bovespa que vinha sendo sacrificada. Podemos encontrar alguma correlação com o próximo vencimento de opções da próxima semana e também pela pressão do follow-on recente com ações da Petrobras. Aliás, Petrobras teve dia de boa alta.

Mas o otimismo recente dos mercados que levou a novos recordes de pontuação do Nasdaq, S&P 500 e Stoxx 600 se prende na maior parte a percepção que o coronavírus possa estar perdendo força, a baixa letalidade e contaminação branda fora da China. Na China, são 44.730 infectados e 1.114 mortos, enquanto em outros países são 441 infectados e apenas uma morte relatada. A OMS (Organização Mundial da Saúde) diz que é cedo para prever o fim da epidemia com esse vírus e que em três meses uma vacina estará sendo testada em humanos.

No exterior, os estoques de petróleo dos EUA subiram forte na semana passada e o relatório da OPEP veio com projeção de queda de demanda por conta do vírus (para 990 mil barris/dia), mas com diminuição da oferta fora do grupo. Para o Brasil, projetam expansão da produção para 3,8 milhões de barris/dia e estimam crescimento global de 3,9% em 2020 com queda da atividade na União Europeia e também na Índia.

O secretário do Tesouro americano Mnuchin, declarou que cortes de impostos, reformas e acordos comerciais melhoram a vidas dos americanos e o governo se compromete trabalhar com os Democratas para lidar com o déficit público. Disse ainda que o próximo ano será de maior crescimento que 2020. No mercado internacional, o petróleo WTI negociado em NY mostrava alta de 3%, com o barril cotado a US$ 51,44. O euro era transacionado em queda para US$ 1,087 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 1,63%, em alta. O ouro em alta e a prata em queda na Comex e commodities agrícolas com comportamento majoritário de alta na Bolsa de Chicago. O minério de ferro negociado na China teve dia de alta de 0,86%, com a tonelada fechando em US$ 87,68.

No cenário doméstico, o IBGE mostrou as vendas no varejo de dezembro em queda de 0,1%, interrompendo sete meses de alta seguida. Em 2019 as vendas no varejo cresceram 1,8%. Já o varejo ampliado encolheu ainda mais em 0,8%, mas em 2019 expandiu 3,9%, muito em função da indústria automotiva. Fato é que continua demonstrando pouca tração e induz revisões do PIB do quarto trimestre para baixo e reduz também o carregamento para o ano em curso. Nos últimos três anos o crescimento do varejo foi de 6,3% insuficiente para apagar as quedas de 2015 e 2016. O fluxo cambial até 07/2 estava positivo em US$ 3,7 bilhões e no ano acumula saldo positivo de US$ 3,3 bilhões.

Na área política, o ministro Paulo Guedes disse que vai encaminhar em duas semanas o IVA (Imposto de Valor Agregado) dual, que se acopla com o projeto que está no Congresso. Já a equipe econômica criticou o relator da PEC dos fundos, dizendo que, na prática acaba com o teto de gastos.

No mercado, dia de DIs com juros em queda para os principais vencimentos e dólar oscilando em mais uma alta de 0,57% e cotado no fechamento em R$ 4,351. Na Bovespa, na sessão de 10/2, os investidores estrangeiros voltaram a aportar recursos no montante de R$ 783,1 milhões, deixando o saldo de fevereiro negativo em R$ 4,8 bilhões e o ano de 2020 também negativo em R$ 24 bilhões.

No mercado acionário, dia de alta da Bolsa de Londres de 0,47%, Paris com +0,83% e Frankfurt com +0,89%. Madri e Milão com altas de respectivamente 0,48% e 0,70%. No mercado americano, o Dow Jones com +0,94% e Nasdaq com +0,90%. Na Bovespa, dia de alta de 1,13% e índice em 116.674 pontos. Na máxima do dia atingiu 117.580 pontos.

Na agenda de amanhã, teremos o volume de serviços prestados em dezembro. Nos EUA, a inflação medida pelo CPI de janeiro (consumidor) e os pedidos de auxílio-desemprego da semana anterior.

Wall Street sustenta novo recorde

Wall Street sustenta novo recorde

Os índices de peso de Wall Street voltaram para os recordes nesta quarta-feira, com os investidores mais tranquilos pelos sinais de desaceleração no número de novos casos de COVID-19 – uma cepa de coronavírus que surgiu em Wuhan, na China, no final do ano passado. Além disso, a apresentação do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, aos senadores americanos também pesou no desempenho.

Ao final, o Dow Jones ficou em alta de 0,94% aos 29.5516 pontos. O S&P ficou em alta de 0,65% aos 3.379 pontos. O Nasdaq ficou em alta de 0,90% aos 9.725 pontos.

Pelo segundo dia consecutivo os investidores acompanharam o depoimento no Congresso americano do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell. Perante o Comitê Bancário do Senado, Powell disse que o Fed tinha duas ferramentas de combate à recessão: comprar títulos do governo em um esforço para reduzir as taxas de juros de longo prazo, uma estratégia conhecida como flexibilização quantitativa; e comunicar-se claramente com os mercados sobre o caminho da política de taxas de juros.

Nesta quarta-feira, a Comissão Nacional de Saúde da China informou que 2.015 novos casos da doença causados ​​pela nova infecção viral foram registrados nas últimas 24 horas, diminuindo pelo segundo dia. Isso elevou o número de casos na China continental para 44.653, embora especialistas tenham alertado que um número substancial pode ter sido incontável. A comissão disse que houve 97 mortes adicionais pelo vírus nas últimas 24 horas, elevando o total do continente para 1.113.

Enquanto muitos analistas atribuem ganhos de mercado, embora ao ritmo mais lento, alguns afirmam que a reação positiva pode ser prematura quanto ao controle da doença.

As seguradoras de saúde saltaram com a vitória de Bernie Sanders na primária New Hampshire, que foi vista como reforço nas chances de o presidente Donald Trump ser reeleito. As ações da Humana Inc subiram 4,7% e as da UnitedHealth Group Inc subiram 4,36%.

Ainda no Dow Jones, as ações da Nike subiram 2,98%, as da Caterpillar subiram 2,50%, as da Apple avançaram 2,37%. Na contramão ficaram as da Coca-Cola, queda de 0,30%, as da Procter & Gamble, queda de 0,57%, e as da Verizon Communications, queda de 0,78%.

As entradas de insumos de petróleo nas refinarias dos Estados Unidos ficaram, em média, a 16,0 milhões de barris por dia durante a semana fechada em 07 de fevereiro de 2020, ou seja, 48 mil barris por dia a mais do que a média da semana anterior. Os dados são da Agência de Energia norte-americana.

Os estoques comerciais de petróleo bruto dos Estados Unidos (excluindo os da Reserva Estratégica) aumentaram 7,5 milhões de barris em relação à semana anterior, ou seja, acima dos 3,1 milhões de barris estimados. Em 442,5 milhões de barris, os estoques de petróleo bruto estão cerca de 2% abaixo da média de cinco anos para esta época do ano. O estoque total de petróleo comercial caiu em 1,0 milhão de barris na semana passada.

Tradução ID de agências e relatórios internacionais

FECHAMENTO: Tudo azul novamente

FECHAMENTO: Tudo azul novamente

Os investidores dos mercados acionários globais voltaram com força para as compras nesta quarta-feira. A disposição se deu com as informações de autoridades da área de saúde da China destacando que o COVID-19, nova denominação para o coronavírus, está sob controle. Já alguns analistas internacionais ainda duvidam e acham que é muito cedo para tais declarações.

Enquanto isso, o mundo segue e os mercados financeiros descolaram. Em plena temporada de resultados financeiros, os bancos centrais seguem destacando medidas para manter a economia global aquecida.

Hoje, as bolsas asiáticas fecharam com ganhos e na sequência ficaram as da Europa.

Nos Estados Unidos, os pesos pesados de Wall Street renovaram os recordes. Além das informações sobre o vírus da China, os investidores digeriram as declarações do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, ao Senado. A corrida para ocupar a Casa Branca também ficou no destaque.

Por aqui, os investidores também foram às compras. O dia foi movimentado na bolsa de valores de São Paulo com o vencimento de opções sobre o Ibovespa, que chegou a R$ 21.962.286.000,00, com 195.436 contratos negociados. Do volume de operações exercidas, R$ 18.893.152.000,00 são de opções de compra e R$ 3.069.134.000,00 opções de venda. O montante do dia foi de R$76,60 bilhões.

Brasília também ficou no radar, com a possibilidade da dança das cadeiras continuar nos ministérios do presidente Jair Bolsonaro.

Finalmente, o dólar incomodou o real e na bolsa de Nova York o índice DXY disparou.

Sobre os mercados

Na Ásia, ao final, o índice Hang Seng da bolsa de Hong Kong ficou em alta de 0,87% a 27.823 e o índice Shenzhen Composite ficou em alta de 1,55% a 1.758. O índice Xangai ficou em alta de 0,87% a 2.926. O índice FTSE Straits Times, bolsa de Singapura, ficou em alta de 1,51% a 3.223. O índice Nikkei 225, bolsa de Tóquio, ficou em alta de 0,74% aos 23.861. O índice S&PASX 200, bolsa de Sidney, ficou em alta de 0,47% a 7.088. O índice Kospi, Seul, ficou em alta de 0,69% a 2.238. O índice Sensex, bolsa da Índia, ficou em alta de 0,85% aos 41.565. O índice Taiex, bolsa de Taiwan, ficou em alta de 0,94% aos 11.774.

Na Europa, ao final, o índice Stoxx Europe 600 ficou em alta de 0,63% aos 431.16 em Londres; o FTSE-100 (Londres) ficou em alta de 0,47% aos 7.534; o DAX 30 (Frankfurt) ficou em alta de 0,89% a 13.749; o CAC 40 (Paris) subiu 0,83% a 6.104; o FTSE-MIB (Milão) subiu 0,70% aos 24.861; o Ibex 35 (Madri) ficou em alta de 0,58% a 9.940; e o PSI-20 (Lisboa) ficou em queda de 0,46% a 5.314.

Nos Estados Unidos, ao final, o Dow Jones ficou em alta de 0,94% aos 29.5516 pontos. O S&P ficou em alta de 0,65% aos 3.379 pontos. O Nasdaq ficou em alta de 0,90% aos 9.725 pontos.

No Brasil, ao final, o Ibovespa ficou em alta de 1,13% aos 116.674 pontos. O giro financeiro ficou em R$74,60 bilhões, a maior movimentação do ano.

Operaram com ganhos
P. Açúcar- CBD PN, alta de 5,59%; Klabin UNT, alta de 4,52%; TOTVS ON, alta de 4,24%; Cogna ON, alta de 4,04%; e TIM Part. ON, alta de 4,05%.

Operaram com perdas
CVC Brasil ON, queda de 2,49%; IRBBrasil ON, queda de 2,74%; Bradesco ON, queda de 1,44%; e Marfrig ON, queda de 1,19%.

Mais negociadas
Petrobras ON, alta de 1,69%; Petrobras PN, alta de 2,20%; Vale ON, alta de 1,96%; Bradesco PN, alta de 0,88%; e ItauUnibanco PN, queda de 0,40%.

Carteira Teórica

Na Carteira Teórica do Índice Bovespa, que passou a vigorar de 06 de janeiro de 2020 a 30 de abril de 2020, estão os cinco ativos que apresentaram o maior peso na composição do índice: Itauunibanco PN (8,573%), Vale ON (8,189%), Bradesco PN (6,985%), Petrobras PN (6,617%), e B3 ON (4,312%).

Commodities

O petróleo referência Brent ficou em alta de 2,82% a US$56,15 o barril negociado na bolsa Mercantil de Futuros de Londres.

O petróleo WTI ficou em alta de 3,22% aos US$51,56 o barril na bolsa Mercantil de Futuros, Nova York.

O minério de ferro negociado no porto de Qingdao, China, ficou em alta de 0,86% aos US$87,68 a tonelada seca e com 62% de pureza.

No Brasil, ao final, no interbancário, a divisa ficou em alta de 0,55% aos R$4,350 para a venda. O dólar turismo ficou em alta de 0,66% aos R$4,530 para a venda.

O euro ficou estável aos R$4,732 para a venda. A libra ficou em alta de 0,49% a R$5,640 para a venda. O peso argentino recuou 0,2% a R$0,071 para a venda.

Fluxo Cambial

O Banco Central do Brasil mostrou nesta quarta-feira (12) que o fluxo cambial para a semana encerrada em 07 de fevereiro ficou positivo em US$3,698 bilhões.

A conta financeira apresentou entradas líquidas de US$ 2,298 bilhões, com aportes de US$14,645 bilhões e retiradas de US$12,347 bilhões.

Na conta comercial, o resultado é positivo em US$1,400 bilhão, com importações em US$2,212 bilhões e exportações de US$3,612 bilhões. Nas exportações estão incluídos US$488 milhões em Adiantamento de Contrato de Câmbio, US$1,331 bilhão em Pagamento Antecipado e US$1,793 bilhão em outras entradas.

Cenário externo

Na bolsa de Nova York, o índice DXY, que compara o movimento das seis moedas mais importantes ante o dólar americano, ficou em alta de 0,28% a 99,00, um dos maiores patamares do ano.

O euro fechou em queda de 0,64% a US$ 1,0872. A libra ficou em alta de 0,58% a US$1.2955.

O ouro caiu 0,06% a US$1,569,10 a onça.

O Bitcoin ficou em alta de 1,26% a US$10,333,39.

Banco Inter anuncia a criação de dois índices de fundos imobiliários

Banco Inter anuncia a criação de dois índices de fundos imobiliários

O Banco Inter anunciou nesta segunda-feira, 6, a criação de dois índices de fundos imobiliários (FIIs) listados na B3. De acordo com a instituição, a iniciativa visa oferecer benchmarks para o acompanhamento da performance desses ativos.

Os novos índices foram desenvolvidos de acordo com as diferentes características dos FIIs disponíveis no mercado. Além disso, também foram levadas em consideração as condições de liquidez dos ativos, com o objetivo de que os investidores repliquem a alocação.

O primeiro índice, chamado de IFI-E, é composto pelos fundos que investem em imóveis para renda via aluguel, os “fundos de tijolo”. O segundo índice, IFI-D, é formado pelos fundos que investem em títulos imobiliários, como CRIs e LCIs, lastreados em imóveis, os “fundos de papéis”.

Os dois índices foram calculados seguindo a metodologia de cálculo de retorno total que, segundo o Inter, significa incluir a valorização da cota e o ganho de dividendos.

“Um diferencial importante desses índices está na seleção dos ativos de acordo com a classificação e liquidez. Isso permite que os investidores consigam reproduzi-los em suas carteiras, num momento em que a demanda por FIIs tem crescido”, destaca a economista-chefe do Banco Inter, Rafaela Vitória.

Além dos índices, o Banco Inter também infirmou que está desenvolvendo dois fundos de fundos imobiliários, que irão replicar os índices e serão uma espécie de ETF’s focados no segmento de FIIs.

Lucro da TIM cresce 48% em 2019 e analistas recomendam compra de ações

Lucro da TIM cresce 48% em 2019 e analistas recomendam compra de ações

Após divulgar resultado, papéis da companhia chegaram a subir 4,76%

Bilionário Luiz Barsi usa novo método para se aposentar investindo só em ações

Bilionário Luiz Barsi usa novo método para se aposentar investindo só em ações

Maior investidor individual da Bolsa brasileira, economista defende investimento de longo prazo em empresas sólidas e que paguem bons dividendos

A Battery Ventures acaba de fechar US $ 2 bilhões em dois fundos

A Battery Ventures acaba de fechar US $ 2 bilhões em dois fundos

A Battery Ventures, agora com 37 anos, acaba de fechar dois novos fundos com US $ 2 bilhões em compromissos de capital – quase o dobro dos US $ 1,2 bilhão recorde que a empresa fechou há exatamente dois anos .

O aumento é parte de uma tendência mais ampla de empresas voltando ao mercado a cada dois anos para travar compromissos de capital cada vez maiores.

Mas Sócio Geral Chelsea Stoner insiste $ 1,2 bilhões de fundos de carro-chefe da empresa (sua 13ª) e US $ 800 milhões de veículos companheiro reflete a determinação da empresa para retardar para baixo seu ritmo de captação de recursos. “Nosso último fundo foi implantado em dois anos e queremos voltar a [captação de recursos] a cada dois anos e meio a três anos”, explicou Stoner em uma ligação ontem sobre os novos veículos da Battery e como eles podem ser investidos.

Mais do nosso bate-papo a seguir.

TC: A bateria apenas levantou muito capital. O que está acontecendo?

CS: Não muita coisa está mudando do nosso lado. Temos os mesmos 10 parceiros gerais. Estamos vendo muitas oportunidades. Não prevemos o aumento do tamanho dos cheques. O tamanho do fundo é mais uma função dessas oportunidades e do desejo de voltar a [uma janela mais longa entre a captação de recursos].

TC: Eu vi uma promoção, Zack Smotherman, que ingressou na Battery em 2013 e foi nomeado parceiro deste novo fundo.

CS: Eu acho que você é realmente grande em promover a partir de dentro. Ele começou como vice-presidente, depois foi diretor nos últimos anos. Ele não é um GP, mas está no caminho de se tornar um GP ao longo do tempo.

TC: Quantos de vocês estão focados em acordos de estágio inicial versus estágio posterior versus compra e como o capital é dividido?

CS: Muitos de nós tendem a se concentrar em uma ou duas dessas áreas principais. Um GP pode tender a considerar negócios em estágio inicial e de crescimento ou então negócios de crescimento e compra. É meio amorfo. Idealmente, um terço de nossa capital vai para cada área; esse é o objetivo.

TC: Bateria é conduzida tematicamente; Quais são alguns dos temas em que a empresa está focada em 2020?

CS: Muitos deles se concentram na computação em nuvem. Ainda sentimos que estamos no meio da mudança da inovação em relação às tecnologias locais, e isso levou o software com foco mais vertical a surgir [em todo o lugar]. Estou de avião um pouco e olhando para geografias fora do Vale do Silício, e estamos vendo empresas realmente interessantes em Phoenix, AZ, Burlington, VT, Madison, WI e Bainbridge Island, WA, entre outros pontos.

Onde vemos muitas oportunidades no espaço da saúde, por exemplo, está no envelhecimento da população. Todos sabemos que existem ventos de cauda e algumas tecnologias realmente interessantes que estão sendo aplicadas a uma variedade de áreas. A BrightTree [uma empresa de TI de assistência médica baseada na nuvem que vendia software e serviços para empresas de equipamentos médicos e farmácias],adquirida pela ResMed [ fabricante de dispositivos médicos ][em 2016], é um exemplo.

TC: A Battery está muito focada em encontrar e financiar “líderes de mercado”. Dado que a empresa financia empresas em estágios tão diferentes, em várias regiões geográficas, como ela penetra todos os negócios em uma vertical específica para determinar qual será o vencedor?

CS: Somos muito intensivos em pesquisa. Escolheremos um tema como o envelhecimento da população e, em seguida, segmentaremos por segmento, abordando as possíveis tecnologias e áreas de atendimento de que a população precisará. Desde o início, temos um modelo intensivo de terceirização com analistas e associados que passam a maior parte do tempo fazendo esse tipo de pesquisa, incluindo ligações a frio, realizando pesquisas on-line, conversando com os participantes do setor sobre quem eles acham que os iniciantes e os que são são e que tipos de software as pessoas estão usando.

Estamos coletando muitos dados diferentes, mas também queremos entrar na frente dessas empresas e ter reuniões pessoais com elas e entender seus principais vetores de crescimento. Depois, reunimos tudo e avaliamos quem achamos que é o líder da categoria e o que precisamos fazer para fazer parceria com eles.

Às vezes leva anos. Às vezes, as empresas não precisam de nosso capital. É extremamente competitivo, especialmente quando a empresa já é rentável.

Bitcoin supera US$ 10 mil e bate máxima do ano

Bitcoin supera US$ 10 mil e bate máxima do ano

Com esta nova arrancada, o Bitcoin chegou ao seu maior valor desde o início de setembro e agora acumula valorização de 44% este ano

SÃO PAULO – Após esboçar uma correção nos últimos dias, o Biticoin voltou a ganhar força, estendo o rali de 2020 após registrar o melhor janeiro em sete anos ao subir 30%. No fim da manhã desta quarta-feira (12), a principal criptomoeda registrava alta de 4,2% no acumulado de 24 horas, a US$ 10.342.

Com esta nova arrancada, o Bitcoin bateu sua máxima em 2020, chegando ao seu maior valor desde o início de setembro do ano passado. Agora, a valorização acumulada da moeda digital este ano é de 44%.

O movimento também é visto em praticamente todo o mercado cripto. Chama atenção o salto de 14% do Ethereum, que chega a US$ 255, enquanto o Ripple avança 9,5%, para US$ 0,298959. No top 20 dos tokens de maior valor de mercado, a Tezos tem o melhor desempenho, disparando 22%, cotada a US$ 3,29.

A valorização segue o cenário que já é visto desde o fim do ano passado, puxado principalmente por uma visão dos investidores de comprar Bitcoin como forma de se proteger da instabilidade do mercado em meio aos casos do coronavírus.

Em 2019, a criptomoeda registrou alta em momentos de tensão nos mercados, como a guerra comercial entre Estados Unidos e China e também o caso dos ataques de míssil envolvendo americanos e iranianos.

Especialistas já vêm apontando o crescimento do Bitcoin como “ouro digital”, ou seja, um ativo de proteção, há alguns meses. Além disso, é importante destacar que há uma expectativa de arrancada dos preços do ativo digital em maio, quando ocorre o “halving”, evento de corte pela metade na recompensa dos mineradores, o que leva a uma redução da oferta de bitcoins e pressiona o valor para cima.

Porém, a alta das últimas 24 horas pode ter sido impulsionada pelos comentários feitos pelo presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, no Congresso americano ontem, em que ele reconheceu o potencial das criptomoedas.

Em seu discurso, o chairman afirmou que a cripto Libra, do Facebook, foi um alerta de que uma moeda digital pode surgir “rapidamente” e de uma maneira “bastante difundida e sistemicamente importante”. Por outro lado, ele ressaltou que muitas questões ainda precisam ser respondidas sobre o mercado de criptoativos nos EUA.

O projeto da Libra perdeu bastante força nos últimos meses, com a saída de diversas empresas parceiras, diante da forte resistência de políticos e reguladores americanos. Os principais questionamentos tratam do nível de envolvimento do Facebook sobre a criptomoeda e como isso pode ser prejudicial para o usuário.

Ações atingem recordes com a preocupação com vírus

Ações atingem recordes com a preocupação com vírus

As ações dos EUA subiram para recordes, acompanhando as ações européias e asiáticas mais altas, com o aumento do otimismo de que a economia global pode se recuperar do impacto do coronavírus em meio a sinais de que a propagação da doença está diminuindo. O petróleo se recuperou e o Tesouro caiu.

Todos os três principais indicadores americanos abriram mais firme, com o Índice S&P 500 e o Dow Jones Industrials atingindo máximos de todos os tempos, depois que a província chinesa de Hubei registrou o menor número de novos casos de vírus este mês e as infecções suspeitas no continente diminuíram.

“O vírus é uma incerteza, mas parece ser uma incerteza mais gerenciável e acho que é assim que o mercado está analisando”, disse Chuck Cumello, diretor executivo da Essex Financial Services, que tem cerca de US $ 2,8 bilhões em investimentos. activos sob gestão.

As montadoras e os bancos lideraram o avanço no índice Stoxx Europe 600, mesmo com os dados mostrando uma profunda queda na produção industrial da área do euro no final do ano passado. A Ásia obteve ganhos para a maioria dos benchmarks de ações, com os de Xangai e Hong Kong superando.

O petróleo subiu acima de US $ 51 o barril em Nova York, mantendo esse avanço mesmo depois que a OPEP cortou as previsões de demanda global e os estoques dos EUA chegaram acima do estimado. As matérias-primas, incluindo cobre e minério de ferro, ganharam, enquanto os bônus europeus principais caíram os títulos do Tesouro e o ouro e o iene também caíram. O dólar da Nova Zelândia saltou mais em cerca de dois meses depois que seu banco central disse que o impacto do vírus será de curta duração e não projeta a necessidade de cortes nas taxas este ano.

Está aumentando a confiança entre alguns investidores de que o impacto do surto de coronavírus acabará sendo de curta duração. O presidente Xi Jinping prometeu que a China alcançaria seus objetivos econômicos ao vencer a batalha contra o vírus que já matou 1.115 vidas, enquanto o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, disse na terça-feira que o banco central está de olho nas consequências da epidemia.